Traduzir

26 junho 2017

Autoridade Marítima alerta para perigo de águas vivas e caravelas


Face ao elevado número de águas-vivas e caravelas-portuguesas registado este ano em zonas balneares de todo o arquipélago, a Direção Regional dos Assuntos do Mar e a Autoridade Marítima alertam os banhistas para os cuidados a ter com estes animais marinhos.
As águas-vivas, também conhecidas por medusas ou alforrecas, e as caravelas-portuguesas (Physalia physalis), frequentes no mar e em zonas costeiras dos Açores, incluindo areais, sobretudo durante a Primavera e o Verão, possuem tentáculos urticantes que em contacto com a pele podem, potencialmente, causar irritações e ferimentos mais ou menos graves.
Segundo a Direção Regional dos Assuntos do Mar, é importante evitar, sobretudo, o contacto com as caravelas-portuguesas, organismos coloniais que vivem à superfície do mar, graças ao seu flutuador, azul-arroxeado, cheio de gás.

Os tentáculos destes animais, que podem atingir os 30 metros, possuem estruturas venenosas que largam um potente veneno quando entram em contacto com outros organismos, sendo que este veneno causa na vítima uma forte reação cutânea aliada a uma dor intensa.
A água-viva, por outro lado, em contacto com a pele, provoca uma sensação de choque, sendo que os sintomas posteriores são dor forte e sensação de queimadura (calor/ardor), irritação, vermelhidão, inchaço e comichão.

Caso tenha contacto com águas-vivas ou caravelas, não esfregue ou coce a zona atingida para não espalhar o veneno, não use água doce, álcool ou amónia, nem coloque ligaduras, e lave cuidadosamente a zona afetada com água do mar, retire os tentáculos da caravela, utilizando, se possível, luvas, uma pinça de plástico e água do mar e procure assistência médica o mais rapidamente possível.

Algumas pessoas são especialmente sensíveis ao veneno das águas-vivas e podem ter reações alérgicas graves, nomeadamente falta de ar, palpitações, cãibras, náuseas, vómitos, febre, desmaios, convulsões, arritmias cardíacas e problemas respiratórios, devendo, por isso, ser encaminhadas de imediato para o serviço de urgência.


Nas praias vigiadas os nadadores salvadores afixam bandeiras quando existem avistamentos e/ou queixas de picadas por águas-vivas, sendo que quando se registam caravelas portuguesas o banho de mar é desaconselhado.

Twitter Facebook Favorites More