Traduzir

02 maio 2017

Esquadra da PSP da Graciosa esteve de porta fechada na Segunda-feira, sindicato alerta que situação é grave

A Esquadra da PSP de Santa Cruz da Graciosa esteve encerrada durante cerca de 12 horas, na última Segunda-feira, dia 1 de Maio.
Os únicos agentes de serviço, um em cada turno, fecharam a porta da esquadra para assegurar serviço no Aeroporto da Graciosa, serviço que, até ao último dia 30 de Abril, era assegurado por agentes que estavam de folga, em regime de gratificado. A supervisão, de segurança aeroportuária passou agora a ser realizada pelos agentes de serviço, mas a situação torna-se complicada, quando existe turnos em que há apenas um agente de serviço, pois durante o horário de funcionamento do aeroporto é exigida a permanência de um policia.

A falta de pessoal é um problema já antigo da esquadra da PSP de Santa Cruz da Graciosa, que com um efetivo de 13 agentes, tem por vezes um único polícia de serviço, que fecha temporariamente a esquadra, para se deslocar a ocorrências. Quando são ocorrências graves ou que envolvem violência, recorrem aos colegas, que estão fora de serviço, para auxiliar.

A Associação Sindical dos Profissionais da Policia afirma que o reforço de efetivos, nos Açores, tem sido uma luta antiga e o que se está a passar na Graciosa é exemplo da carência de pessoal.

O sindicalista Luís Soares diz que no caso da Graciosa é mais grave, porque se trata da única esquadra da ilha, estando em causa a segurança e apoio às populações. Trata-se de uma responsabilidade politica, sendo que tinha havido uma promessa da ministra, que no entanto acabou por se ficar nos 50%, na colocação de policias nas regiões autónomas.
A Rádio Graciosa já pediu esclarecimentos, sobre esta situação, ao Comando Regional da PSP.

Twitter Facebook Favorites More