Traduzir

02 outubro 2015

Empresários da Graciosa reivindicam as mesmas possibilidades de transportes das outras ilhas do arquipélago

As ilhas Graciosa e Terceira que também pertencem ao grupo central, continuam a ficar de fora das escalas, dos novos barcos, Gilberto Mariano e Mestre Simão, pertencentes à Transmaçor, uma empresa que tem a maioria do seu capital na posse da Atlanticoline que também é uma empresa de capitais públicos.

Carlos Brum, presidente do Núcleo Empresarial da Graciosa, disse tratar-se de um assunto antigo, com os comerciantes a não entenderem o porquê daquela movimentação de barcos no triângulo não ser alargado às ilhas Graciosa e Terceira.
O representante dos empresários graciosenses afirma que não faz sentido não ser criado um outro triângulo, entre Graciosa, Terceira e São Jorge, dando oportunidade à Graciosa de ter transportes de passageiros todo o ano o que deveria até estar incluído nas obrigações de serviço público.

Empresários da Graciosa continuam a reivindicar para a ilha as mesmas possibilidades de transportes das outras ilhas do arquipélago 

Twitter Facebook Favorites More