Traduzir

01 junho 2018

Resumo Semanal de 28 de Maio a 1 de Junho de 2018

Direção Regional das Pescas promove cursos de pescadores e de arrais de pesca local na Graciosa


Luis Rodrigues, disse que o governo tentou corresponder às necessidades dos pescadores graciosenses, primeiro com cursos de pescadores e de arrais de pesca local. Formação e sensibilização para a segurança no mar, foi outra formação que decorreu na Graciosa, com simulação de possíveis acidentes a bordo das embarcações.
Há cerca de 5 anos, que não se realizavam cursos de pescadores, na Graciosa.
Luis Rodrigues destacou o papel empreendedor dos pescadores graciosenses e da associação, que tem sido um exemplo dentro da região.
A apanha de algas e o peixe seco são produtos que o Governo quer promover e para isso está já a decorrer um trabalho que envolverá investigação, produção e restauração.




Recolhidos 56,41kg de resíduos na ação de limpeza "Lixo Zero no Mar dos Açores"

A campanha "Açores entre mares 2018” está a decorrer até ao dia 8 de Junho, para promover a "literacia sobre oceanos" em todo o arquipélago dos Açores, este ano com o tema "Lixo Zero no Mar dos Açores".
No âmbito desta campanha, no dia 26 de maio decorreu uma ação de limpeza na orla costeira na zona da Pesqueira, em Santa Cruz da Graciosa.
Foram recolhidos 56,41kg de resíduos, dos quais 34,97kg de plástico, 0,435kg de vidro, 15kg de indeferenciado e 6 kg de madeira.
Ao todo participaram 22 graciosenses, numa iniciativa conjunta da Junta de Freguesia de Santa Cruz da Graciosa, Parque Natural da Ilha Graciosa, Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa e com a preciosa ajuda do Agrupamento 434 - Santa Cruz da Graciosa.





Município de Santa Cruz da Graciosa aprova voto de congratulação ao Graciosa FC pela subida à Série Açores

O Executivo Camarário de Santa Cruz da Graciosa Club, pela subida ao Campeonato de Futebol dos Açores. Ainda neste período dos trabalhos, o vereador do PSD, António Reis, congratulou a Câmara, por se ter associado à digressão de António Zambujo e defendeu que o Centro Cultural da Ilha Graciosa deve ter uma agenda própria de eventos.
O mesmo vereador questionou sobre as obras junto ao Parque de Campismo, tendo sido informado que se tratam de novas instalações sanitárias, pois a que existem, estão muito longe do parque. A nova construção consta ainda de um espaço aberto, com kitchenete e sala, bem como recepção, sendo intenção do município ter, durante os meses de Verão, um trabalhador na recepção aos campistas. O vereador António Reis solicitou uma cópia do projeto.





Autarquia aprova apoios e arrematação de bar da piscina municipal

A Associação Cross-Over será apoiada, para a realização de um ciclo de cinema italiano, ao Graciosa FC 100 euros, para aquisição de uma passagem aérea e à Pastoral Juvenil 300 euros, como contribuição para a formação na área da juventude.
A Câmara Municipal deliberou ainda realizar hasta pública, para a concessão do Bar da Piscina Municipal, por um prazo de 3 meses.





Produzidas 201 toneladas de queijo no 1º trimestre de 2018

Na Indústria de Lacticínios da Graciosa foram produzidos 201.603 Kgs de queijo, durante o primeiro trimestre de 2018, valor semelhante ao produzido em igual período de 2017.
Segundo os dados do Serviço Regional de Estatística, o mês de Março foi o mais produtivo ao resultar em 75.757 Kgs de queijo de leite de vaca, no entanto foi no mês de Janeiro que foi produzida mais manteiga, com 7.350 Kgs.
De registar que, durante os três primeiros meses deste ano, a Fábrica de Lacticínios da Graciosa produziu um total de 19. 500 Kgs de manteiga, um aumento de cerca de 2 toneladas, em comparação com os 17.875 Kgs de igual período de 2017.
No mesmo período foram tratados 1.437 litros de leite, para consumo público.






João Picanço reeleito para mais um mandato na Adega e Cooperativa Agrícola da Ilha Graciosa

A Adega e Cooperativa Agrícola da Ilha Graciosa promoveu uma Assembleia-geral, para a aprovação das contas de 2017, a eleição de novos corpos sociais e outros assuntos de interesse para a Adega e Cooperativa.
Foram aprovadas as contas relativas a 2017 e a atual direção foi reconduzida para mais um mandato, mantendo-se assim João Picanço nos destinos da Adega e Cooperativa Agrícola da Ilha Graciosa.





CPCJ de Santa Cruz da Graciosa celebrou Dia da Mundial Crianças com manhã de atividades

Na Praça Fontes Pereira de Melo, decorreram várias atividades, entre elas passeio de cavalo, Eco Peddy-Paper, Projeto Amarra te à Vida, Jogo Saúde e Companhia e oferta de um lanche.






“Desentendimento” entre acionistas da companhia Graciólica provoca impasse no projeto Younicos

O presidente da Empresa de Eletricidade dos Açores (EDA) admitiu à agência Lusa que existe um “impasse” no projeto de energias renováveis previsto para a ilha Graciosa, devido a um “desentendimento” entre acionistas da companhia Graciólica.
Duarte Ponte referiu que, “a demora nada tem a ver com a EDA, que tem sido expectante neste processo, tem assegurado todas as condições para que a Graciólica coloque energia na rede, mas a Graciólica, por alterações na sua composição societária, criou aqui um impasse que está a ser ultrapassado”.
O responsável máximo pela EDA adiantou que o “desentendimento entre acionistas”, nomeadamente entre a dinamarquesa Younicos e a alemã Recharge, foi motivado pela “alteração de ‘software'”, para este projeto que promete que 65% de energia consumida na ilha Graciosa, seja proveniente de fontes renováveis.
Duarte Ponte explicou ainda que os primeiros testes foram feitos em setembro passado e tiveram “sucesso”, mas entretanto foi contratada uma nova empresa, a Green Smith, para fazer “um novo ‘software’ e alterar equipamentos”, prevendo-se que em setembro sejam feitos “testes da rede já com os consumidores”.
O presidente da EDA lembrou que “há um memorando de entendimento entre a Graciólica, a EDA e a ERSE” (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) que deve ser cumprido, porque este projeto “já deveria estar pronto há mais de um ano” e o atraso tem “prejuízo” para a própria EDA.
O porta-voz da Younicos adiantou à agência Lusa que este “desentendimento legal e comercial” com a sócia Recharge, poderá comprometer o contrato de aquisição de energia com a ERSE para um projeto que custou 24 milhões de euros e recebeu quatro milhões e meio de fundos comunitários.
Fonte oficial da empresa alemã Recharge afirmou, no entanto, que o projeto está a ser cumprido “dentro dos objetivos” e em “fase de concessão numa estreita cooperação com a EDA”.
A Antena 1 Açores adiantou que “as duas empresas, desentendidas por causa da escolha do software, enfrentam-se em tribunal”.


Fontes: Lusa/+Central/Antena 1 Açores

Twitter Facebook Favorites More